quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Testemunho para artigo científico

Queridos amigos,
Recentemente fui contactada pela jornalista Carla Mateus, a solicitar o meu testemunho sobre a Tricotilomania, que serviria de base a um artigo científico para o site MSN Saúde e Bem-Estar. Não hesitei no meu "sim", pois é esta a minha missão! Certo?

Ontem, recebi por mail o resultado do artigo e, mais uma vez fiquei com o sentimento de dever cumprido. O rigor científico, a clareza na exposição de ideias e a riqueza de conteúdo, fará com que qualquer "leigo" na matéria se sinta esclarecido em relação ao que é é a Tricotilomania.



Dedico as minhas palavras a todos vocês que me seguem, que buscam força no meu blog, que me contactam e... que também me dão força, diariamente, para não recair!


E à jornalista Carla Mateus, o meu muito obrigada!!


Para lerem o artigo basta clicarem  AQUI


Se acharem pertinente, deixem a vossa opinião na caixa de comentários!
Beijinhos a todos*

8 comentários:

Anónimo disse...

Tenho tricotilomania à dois anos, nao fui diagnosticada, nem consultei a um medico. Decidi fazer isso sozinha, pesquisei no google sobre arrancar cabelo e o nome da doenca apareceu, fiquei um pouco surpresa mas apos ler um pouco vi que era exatamente isso que eu tinha! Eu sou meuo nova, tenho 15 anos, e nao sei se devia envolver meus pais nisso, na escola tenho uma amiga que passa pela mesma coisa, porem ela ja é parcialmente careca, e costumi arrancar os fios mais na area do centro da cabeça, onde fica difícil cer as falhas. Comecei a consultar blogs e ja fiquei 1 mes inteiro sem arrancar os fios, nesse ano tive uma recaída, estoj arrancandi descontroladamente sem sentir remorço, oq e horrivel! Gosto de ler os comentarios de outras pessoas, pois assim nao me sinto tao só diante da doença! Espero que meu comentario ajude, como ler o de vcs tbm me ajuda!

Anônimo disse...

Tenho 15 anos e desde os meus 6 anos tenho essa mania de arrancar fios .comecei arrancando os fios da minha sobrancelha mas consegui parar mas

Anônimo disse...

....mas comecei a arrancar os meus cílios um vício que continua até hoje mas em seu meio tempo consegui parar por tempo pq comecei a arrancar os cabelos da cabeça mas foi um vício quem graças a deus consegui parar passou um tempo
E voltei a arrancar os cílios é um vício que
Vai e volta constantemente

Anônimo disse...

Procure seus pais fale da citação e também procure imediatamente um psicólogo que vai lê ajudar muito com esse problema

Ana Letícia disse...

Eu tenho tricotilomania. Acho que desenvolvi ao em meados de 2008, creio eu e é o que digo a todos que sempre foi a preocupação da vontade de independência e creio também que o que piorou foi o término de um relacionamento. Comecei a arrancar as sobrancelhas, eu não arranco os cabelos mas arranco também os cílios.
Vi uma vez em uma notícia que existia essa doença, pesquisei mais sobre e vi que só um tratamento psicológico poderia ajudar. Em 2010 foi quando consegui deixar crescer um pouco as sobrancelhas, foi bom vê-la daquele jeito mas qualquer estresse que eu tivesse me fazia recorrer aos dedinhos nela. Hoje tenho 22 anos procurei ajuda com uma psicólogo e eu disse a ela que eu tinha tricotilomania, ela parecia nunca ter ouvido falar da doença ou conhecia muito pouco pois ela achava que só arrancava cabelos na cabeça e era algo extremo e me disse que era mais uma mutilação. Concordo com ela que esse hábito seja uma mutilação mas durante o período em que passei indo para as consultas não vi nenhuma melhora nos sintomas.
Fico com medo de algum dia minhas sobrancelhas não crescerem mais pois arranco os cabelos mesmo quando pequenininhos e me sinto muito frustrada e não me acalmo enquanto não consigo arrancá-los. Pinto com lápis para disfarçar mas é constrangedor quando alguém vê que não tem nada e fica falando.


Ainda tento diminuir mais ainda não consigo controlar essa ansiedade.

Joana disse...

Tenho 22 anos e desde os 9/10 que me lembro de arrancar cabelo. O pico deste problema foi cerca dos 13 anos, quando a parte de cima da minha cabeça tinha cabelos com 3-4 cm, os que cresciam depois de arrancar. Não tinha falhas mas notava-se uma escassez de cabelo. Mudei o risco do cabelo para esconder. Eu tinha vergonha de confessar: os meus pais pensaram que era da água muito quente no duche, a cabeleireira achava que eu tinha um cabelo mesmo muito fraco.
Eu deixava tufos de cabelo em toda a casa, e um dia os meus pais viram-me arrancar cabelo. Penso que foi um dermatologista que me falou da tricotilomania.
Nunca consegui deixar crescer o cabelo, pois havia sempre grandes diferenças de comprimento. Hoje, com o problema mais controlado, o cabelo do topo da cabeça é muito diferente, meio seco e nao é encaracolado. Ainda arranco muito cabelo, em alturas de nervosismo.

Tenho vergonha de falar às pessoas sobre a tricotilomania, nem deixo que os meus amigos mais proximos se apercebam. O meu namorado é que um dia me viu arrancar e foi logo "o que estás a fazer"?. Sempre que me vê mexer no cabelo afasta logo a minha mao.

Todos os dias sao uma luta, mas é bom saber que nao estamos sozinhos. Seguirei o seu blog e todas as dicas!

Patty disse...

Passem lá na minha página, "Minhas Mãos Me Amam". Vamos nos ajudar! O meu foco são os cílios e as sobrancelhas.
Adorei a matéria. Posso divulgar lá na página?
https://www.facebook.com/minhasmaosmeamam
Força gurias, espero poder ajudar.
Patrícia

hybjh ijhv disse...

شركة تسليك مجاري بالاحساء